Santa Catarina quer aumentar a produtividade das suas lavouras. Com o Programa Terra-Boa, a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural irá investir R$ 53,5 milhões no apoio à aquisição de sementes de milho, calcário, melhoria de pastagens, apicultura e cobertura do solo.

O Programa, que terá 14% a mais de recursos esse ano, foi lançado nesta quarta-feira, 29, pela vice-governadora Daniela Reinehr e pelo secretário da Agricultura Ricardo de Gouvêa em Pinhalzinho, durante a abertura da Itaipu Rural Show.

“Aumentar a produtividade das lavouras significa tornar nosso estado mais competitivo e melhorar a vida de quem mora no campo. Com o Terra-Boa apostamos naquilo que tanto defendemos: em tecnologia e inovação para contribuir com atividades fundamentais para Santa Catarina, como no caso da agricultura, um dos motores da nossa economia”

ressalta o governador Carlos Moisés.

Durante a abertura a vice-governadora destacou o aumento de recursos nesta edição. São R$ 6,5 milhões a mais de investimentos. A expectativa da Secretaria da Agricultura é atender 70 mil agricultores em todo o estado. O Programa Terra-Boa irá apoiar a aquisição de 300 mil toneladas de calcário, 200 mil sacos de semente de milho, 3,5 mil kits forrageira, mil kits solo saudável e 500 kits apicultura.

“O Terra-Boa dá tão certo em Santa Catarina que decidimos ampliar os recursos disponíveis. Nós queremos aumentar a produtividade das nossas lavouras, incentivando e facilitando os investimentos em sementes de milho, calcário, cobertura de solo, melhoria de pastagens e apicultura. Esse ano serão R$ 53,5 milhões em recursos para execução do Terra Boa, 14 % a mais do que o valor investido ano passado. O Governo do Estado e o cooperativismo estão unindo forças e vamos fazer um trabalho excelente”

destaca a vice-governadora Daniela Reinehr. 

De acordo com o secretário de Estado da Agricultura, Ricardo de Gouvêa, o Terra-Boa traz mais uma oportunidade para que os agricultores catarinenses aumentem a produtividade em suas lavouras. “O Programa já é conhecido e muito esperado pelos agricultores de Santa Catarina. Através dele, os produtores têm acesso a sementes de alta tecnologia e insumos para melhorar e diversificar a sua produção, tudo isso com a assistência técnica da Epagri. Estamos muito felizes com as novidades desse ano, com mais recursos e a criação do kit solo saudável”, ressalta.

LEIA MAIS

O Programa é resultado de um convênio firmado entre a Secretaria da Agricultura, Secretaria de Estado da Fazenda.

Foco na produtividade

Em sua nova edição, o Programa Terra-Boa irá apoiar a aquisição de milho, de alto valor genético, o que gera um rendimento maior por hectare plantado e representa mais de 70% das sementes retiradas pelos produtores. Santa Catarina é o maior importador de milho do Brasil. 

Agroconsciente

O Programa Terra-Boa está alinhado a nova diretriz do Governo do Estado para o desenvolvimento de ações que oportunizem mais renda aos produtores rurais e pescadores, ganhos ao meio ambiente e maior segurança alimentar à população. Exemplo disso é a inclusão do Kit Solo Saudável, com produtos para cobertura verde do solo.

A distribuição do Terra-Boa

Calcário – a distribuição de calcário é feita em duas modalidades: via cooperativa ou direto das minas. Com o calcário direto das minas, o produtor fica responsável pelo transporte. No caso do calcário via cooperativa o produtor paga o equivalente em sacos de milho consumo tipo II (60 kg), pelo preço de referência fixado no início de cada ano – o produto é disponibilizado para ser retirado próximo à propriedade rural. Cada família rural tem direito a uma cota de 30 toneladas de calcário que serão pagas no próximo ano com o produto da colheita.

Sementes de milho – as sementes que podem ser adquiridas pelo produtor incluem sementes de médio até altíssimo valor genético, seguindo as relações de troca.

Para cada saca de 20kg de sementes, classificadas nos determinados grupos, o produtor deverá ressarcir a diferença entre o preço de venda menos os respectivos valores dos subsídios, cujo montante será convertido em quantidade de sacas de produto de 60kg de milho consumo tipo II, utilizando como base o preço unitário de referência fixado em R$ 25.

Kit Forrageira –  kit forrageira é formado por mais de 80 produtos fornecidos a partir de um projeto técnico elaborado pela Epagri. O valor do kit é R$ 6 mil, e pode ser pago em três parcelas anuais, sem juros, ou caso o produtor optar em adiantar o pagamento da segunda e terceira parcela para a mesma data de vencimento da primeira, este terá um desconto de 30% sobre o valor da segunda e de 60% sobre o valor da terceira parcela.

Kit Apicultura – cada kit é composto por seis colmeias, com ninho e duas melgueiras; cera alveolada para seis colmeias; formão; dois macacões completos com máscara; dois pares de luvas e um fumegador, cobertura ecológica, arames, esticador de arame, rainha, núcleo Langstoth, alimentador de cobertura, luvas e jaleco. O kit custa cerca de R$ 2,4 mil, e o produtor terá dois anos de prazo para pagamento, com parcela anual em juros, ou caso o produtor optar em adiantar o pagamento da segunda parcela para a mesma data de vencimento da primeira, este terá um desconto de 60% sobre o valor da segunda parcela

Abelhas rainhas – Fornecimento de no máximo 150 rainhas por produtor. A subvenção do Governo é limitada a R$ 18,00 reais por rainha.

Kit Solo Saudável – Composto por insumos para correção de solo, sementes de adubos verdes e fertilizantes. Cada kit custa R$ 2 mil e o produtor terá dois anos de prazo para pagamento, com parcela anual em juros, ou caso o produtor optar em adiantar o pagamento da segunda parcela para a mesma data de vencimento da primeira, este terá um desconto de 60% sobre o valor da segunda parcela.

Fonte: http://sc.gov.br/

Foto: Luciane Zuê / GVG

https://rz.floripa.br 2020
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account